30 ANOS DA PRIMEIRA LIBERTADORES

"-Bola com Renato na linha de fundo, dá um balão para a área, Cesar mergulha de cabeça e, GOOOOOOLLLL!"

Lá estava eu, naquela noite fria de 28 de julho de 1983, guri de 16 anos, na superior do Estádio Olímpico, na esquerda das cabines de imprensa, bem no escanteio. Estava de pé, como todo o estádio, e, por estas coisas da engenharia que não sei explicar, o estádio todo balançava, e, como eu estava com um pé num módulo e outro no outro módulo, via a divisa dos cimentos, quando um módulo baixava o outro subia, passei o jogo todo pedalando.

Este jogo para mim, começou uma semana antes, em Montevidéu, 1 x 1, eu também estava lá, creio que foram 80 ônibus daqui.

Mas, 28 de julho de 1983, recordo-me de não ter dormido na noite anterior, sonhando acordado com a vitória, fui para o estádio as 14h00, o jogo foi a noite. Lembro-me da certeza que tínhamos na vitória, mas confesso que me assustei com o tamanho da torcida do Peñarol, pensei porque tanta gente se irão perder! Será que eles acreditam assim como nós?

Foi chegando o horário do jogo e a tensão aumentando.

O Estádio lotando, pessoas lado a lado cantando, Grêmio, Grêmio seremos campeões da América (A versão atual mudou para nós somos), e, depois daquele gol do Cesar, vi com os olhos repletos de lágrimas, que a América e o Mundo seriam pequenos para o Grêmio.

Dia 28 de julho de 2013, lá se vão 30 anos deste primeiro grande passo, ou seria aquele balão da linha de fundo dado pelo Renato, o Grêmio se tornou muito maior do que eu esperava, conquistamos a América novamente, conquistamos o Mundo, temos uma torcida enorme, vi muitos títulos serem ganhos, mas a imagem do De Leon, com a taça da Libertadores sobre a cabeça, escorrendo sangue pela testa, nunca sairá da minha mente.

PARABÉNS GRÊMIO, PARABÉNS GREMISTAS!