A DOR DA VERGONHA OU O CUSTO DO APRENDIZADO

Antes de começar este texto, quero informar que trata-se unica e exclusivamente de meu posicionamento, não se misturando com o posicionamento do grupo Sócios Livres, do qual, orgulhosamente faço parte.

Escrever após vitórias é muito fácil, porém para entender uma derrota é preciso uma noite de sono, apesar de ter sido difícil dormir depois da derrota vergonhosa no GRE-nal.

O que muda numa equipe que no maior torneio da América, tendo pego o grupo mais difícil (opinião de todos antes do início da competição), faz uma campanha impressionantemente fantástica, invicto, primeiro do grupo, segunda melhor campanha na geral e defesa que só tomou 1 gol, e fora de casa, num caldeirão, para os mesmos jogadores que perderam os dois últimos clássicos para um time que brigou para não ser rebaixado no brasileiro do ano passado?

Poderia dizer que a motivação para o “ruralito” não é a mesma, sim poderia, eu mesmo não gosto de torneios regionais, deficitários e que não são parâmetros para nada, mas, não estou falando do “ruralito”, estou falando do GREnal, ou será que nossos atletas e comissão técnica nunca leram sobre a importância deste clássico, portanto, se houve falta de motivação, temos algo muito errado dentro das paredes do vestiário.

Poderia dizer que são os anos que não conquistamos títulos importantes, e aqui, mais uma vez desprezo o “ruralito”, e que faz com que nossos jogadores, na hora decisiva tenham uma carga maior e por isto fracassem, mas como assim, temos no grupo jogadores que foram campeões em outras equipes e portanto, não sofreriam este peso.

Ouvi algumas vozes falando que nosso técnico não tem pulso, mexe errado, enfim, é o grande responsável pelo fracasso nas horas de decisão, ora, já tivemos técnicos novatos e que deram certo, pois tinham o resguardo forte da direção dentro do vestiário. Aqui, sou tendente a acreditar que pode estar faltando um Vice-presidente de Futebol mais sanguíneo, daqueles que chutam porta e pegam jogadores pelo colarinho (me agrada este perfil dentro do vestiário), mas, não convivo dentro do vestiário para saber como é.

Temos alguns jogadores que não poderiam vestir a camiseta tricolor, não irei nominá-los pois cada um enxerga futebol de uma maneira diferente, mas todo o grupo tem estes jogadores.

O que resta neste momento é entender, aprender o que está havendo e expurgar as coisas erradas para que nosso caminho na Libertadores e no Brasileiro não sejam atrapalhados. Espero que o presidente Koff, o maior vitorioso na história de nosso clube esteja acompanhado das pessoas certas para colocar o dedo fundo nesta ferida e torna-la o trampolim para a retomada de vitórias.

Apenas um pensamento final, que me ocorreu durante a noite mal dormida: será que nossos jogadores não estão sendo profissionais demais? Não prego violência NUNCA, mas depois de perder o GREnal do jeito que perdemos, não é o momento de abraçar os adversários, e sim de baixar a cabeça e sair envergonhados.