Altura dos acontecimentos, não responde as indagações do fracasso em Bogotá

Não é a simples troca de treneiro de campo, que resolve os problemas do nosso Tricolor.
A atual gestão recebeu um clube, dividido e simplesmente engessado no contexto financeiro, com uma situação duríssima em relação a Arena e com um contexto político extremamente conturbado, onde muitos jogam na contramão do processo de crescimento da agremiação e forçam no fortalecimento dos seus grupos, ou confrarias, que ainda não notaram a importância do sentimento de clube, que em última análise é o que pode robustecer, quem quer que esteja nesse contexto.
Nessa primeira avaliação, que deixei para tornar pública, alguns dias após a derrota acachapante de Bogotá, vejo uma pálida lembrança do espírito do Grêmio, copeiro e destemido, um verdadeiro time sem limítes que conquistou o mundo inteiro, com sua camisa tricolor única, respeitada e durante um tempo mais vendida no mundo.
Será que é apenas o treinador o problema do clube, considero que é um dos problemas que temos que resolver, mas a questão é muito mais profunda, a questão dos anos de derrotas do Grêmio, está ancorada nessa divisão antropofágica que se instalou no contexto da política gremista, onde a própria turma que se considera, a cada eleição e troca de grupo no poder os iluminados, que não consegue enxergar que sua atuação está devorando as entranhas do clube.
Lamento a nossa atual situação e grito, mais uma vez em busca da harmonia entre os representantes dos vários grupos e interesses (que muitas vezes, se tornam nocivos ao Clube), que se unam e joguem na direção da sobrevivência de uma paixão de 8 milhões de Gaúchos e Brasileiros, que estão se sentindo órfãos de títulos e de respostas convincentes para as continuadas derrotas.
Um exemplo de como não deve se comportar um time de tradição e história foi dado na última quinta-feira, pois a atuação do time só corroborou um sentimento de tristeza e certeza de derrota que viria mais cedo ou mais tarde.
Esta opinião é individual de Duca Maradona, não é discutida e nem avalizada no contexto do Grupo Sócios Livres, Grêmio de Todos, mas achei esse espaço para me expressar e me senti bem para publicar minha opinião aqui.