Com a palavra, Pelaipe e Luxemburgo.

Ainda que o mais natural fosse o debate sobre o GRE-nal, em razão da repercussão já alcançada em outros blogs que cuidam do mundo do Grêmio e em virtude da gravidade das acusações, retransmitimos a notícia veiculada originalmente no Blog do Paulinho.

O presente espaço está aberto para quaisquer esclarecimentos que os envolvidos queiram formular, ressaltando que as opiniões do texto replicado são de exclusiva responsabilidade do autor dele.

Fonte: http://blogdopaulinho.wordpress.com/2012/02/22/contratacao-de-luxemburgo-pelo-gremio-foi-acao-entre-amigos/

"Contratação de Luxemburgo pelo Grêmio foi “ação entre amigos”

Após a sequencia de trabalhos ruins de V(W)anderlei(y) Luxemburgo pelas equipes que dirigiu nos últimos anos e, principalmente, pela saída atribulada do Flamengo, há apenas 20 dias, acusado que foi, com documentos, de organizar um esquema de compra e venda de jogadores que beneficiava apenas o seu grupo, fica difícil entender que razões teriam levado o Grêmio a apostar em seu trabalho.

Encontramos a resposta num passado não tão distante.

Entre 2008 e 2009, o procurador de Luxemburgo, o empresário Gilmar Veloz, foi o responsável indireto – praticamente alugou o departamento – pelo futebol do Fortaleza, do Ceará.

Neste período, seu homem de confiança foi o atual dirigente gremista Paulo Pelaipe.

Este ocupou o cargo de Gerente Geral da equipe cearense, sendo responsável, em pouco mais de quatro meses, pela contratação de aproximadamente 20 jogadores.

Mais da metade ligados a Veloz.

Pouco depois de exercer sua parte no “acordo”, Pelaipe pediu dispensa do Fortaleza, alegando problemas particulares.

Durante a semana, como retribuição ao favor prestado por Veloz, em 2008, Pelaipe abriu as portas do Grêmio para Luxemburgo.

Antes, porém, foi o principal responsável pelo processo de fritura sofrido pelo antecessor, Caio Junior, pressionado que estava, já, pelo amigo empresário.

Levando-se em consideração o histórico de todos os envolvidos nessa operação, o torcedor gremista tem motivos de sobra para esperar por dias ainda piores nos próximos meses.

Quem viver, verá."