Das Arenas

Caros amigos gremistas e demais defensores de um esporte saudável,

Enquanto acompanhava o julgamento do Grêmio no Superior Tribunal de Justiça Desportiva, veio à minha mente a imagem dos jogos romanos entre gladiadores, onde o imperador decidia a vida ou a morte de um combatente caído sob o clamor de uma plateia sedenta por sangue.


Pois bem, hoje o STJD decidiu pela exclusão do Grêmio da Copa do Brasil em virtude de inadmissíveis e criminosos comportamentos de algumas pessoas que se travestem de torcedores. Pune-se um todo composto, na sua esmagadora maioria, por amantes de um esporte que promove a inclusão social em detrimento de uma minoria que deve ser banida desse meio.

Engana-se quem acha que o Grêmio foi o maior perdedor dessa história.

Perdemos todos!

Esse mesmo clube que foi execrado nos últimos dias, é o mesmo clube que promove um convívio saudável entre todas raças e credos sob a bandeira do esporte. É o mesmo clube que abre as portas para que menores que vivem em estado de vulnerabilidade social, expostos ao crime e às drogas, para que encontrem um futuro justo praticando uma atividade que leva alegria à um povo. É o mesmo clube que venera seus ídolos negros, brancos, amarelos e que forneceu um espaço de destaque no seu símbolo para um negro que marcou a sua história.
Ao invés de distribuir acusações, eu gostaria de questionar: e o que fizeram, os julgadores do nosso STJD e todos aqueles que desejaram ver o Grêmio destruído em razão desse triste acontecimento, para minimizar o problema de segregação racial em nosso país? Foram palestrar em escolas acerca do tema para conscientizar nossos jovens? Se engajaram em alguma iniciativa social para combater esses atos repudiantes? Quem sabe até em roda de amigos, quando surgiu algum comentário discriminatório para a raça negra, repreenderam o discriminador? Eu sinceramente espero que sim! Pois punir um clube que busca levar alegria e integração à sociedade, independentemente de sua raça, credo ou preferência, jamais será contribuir para um mundo mais igualitário. Certamente o auditor do STJD Ivaney Cayres Souza estava refletindo sobre algumas dessas questões quando acompanhava a defesa do Grêmio dormindo no tribunal.

Na Arena do STJD, esta tarde, todos fomos punidos. Resta-nos, gremistas, retornar à nossa Arena, mas não para provocar mais um embate raivoso, abastecido por vaidades absurdas. Devemos retornar para promover a paz! Para proteger a imagem do nosso clube do coração que, embora tentem insistentemente, JAMAIS conseguirão arranhar. Afinal, temos uma história que foi escrita por uma pluralidade de pessoas, desde o mais baixo até o mais alto padrão social.

Por fim, digo que a tristeza de ver o presidente Koff defendendo o Grêmio como se fosse seu filho frente à um bando de pessoas mais preocupadas em destruir do que em construir, transformou-se em orgulho e vontade de tornar o Grêmio ainda mais AZUL, PRETO E BRANCO.

Vamos fechar com o Grêmio nesse momento de dificuldades, pois foi assim que nos tornamos Imortais!

Saudações tricolores!

Sávio Costa Borges